Arquivo da tag: medicina do transporte

CDC: “Public Health Responses to COVID-19 Outbreaks on Cruise Ships — Worldwide, February–March 2020”

More than 800 cases of laboratory-confirmed COVID-19 cases occurred during outbreaks on three cruise ship voyages, and cases linked to several additional cruises have been reported across the United States. Transmission occurred across multiple voyages from ship to ship by crew members; both crew members and passengers were affected; 10 deaths associated with cruise ships have been reported to date. 

Estudo da autoridade sanitária americana (CDC) sugere que o Sars-Cov-2, o novo coronavírus, resiste por até 17 dias em superfícies contaminadas a bordo de navios de cruzeiro, se não houver desinfecção de cabines. Descobre, também, que a maior parte dos passageiros infectados são assintomáticos (46,5%), o que reduziria eficácia de medidas de triagem de controle do espalhamento da Covid-19 a bordo das embarcações, adotadas pela indústria de transporte marítimo de passageiros. Investigação, ainda, conclui que tripulação tende a ser o principal vetor de contaminação entre os próprios passageiros e que o contágio ocorreria, inclusive, entre navios e até entre viagens de um mesmo navio.

Pesquisa sustenta recomendação administrativa para que cidadãos americanos paralisem suas viagens em curso e promove a adoção de medidas drásticas a serem tomadas pelas autoridades marítimas e operadores de transporte marítimo, no mundo, como quarentena total de passageiros e bloqueio das embarcações.

MARITIME EXECUTIVE: Fewer Coronavirus Cases if Diamond Princess Had Been Evacuated

Estudo, publicado no JOURNAL OF TRAVEL MEDICINE, avaliou que quarentena forçada, no cruzeiro Diamond Princess, evitou que o Covid-19 contaminasse 80% dos passageiros a bordo. Entretanto, contágio teria sido menor, caso infectados fossem desembarcados. 

Pesquisa usou modelagem matemática comparada em relação a projeções feitas para Wuhan, epicentro da epidemia, e detalhou diferentes índices de contágio se tripulante ou passageiro. Hipótese é que ambiente de bordo é mais propício (4 vezes mais) a esse tipo de transmissão.